terça-feira, 30 de agosto de 2011

Quais as consequências da Ditadura Militar no Brasil??

Consequências  enraizadas
Militares afirmam que tomada do poder foi uma medida preventiva. Os reflexos do Regime Militar ainda são latentes e influenciam na política e economia atual
Foi o pior período da história brasileira!

A democracia foi restaurada após a queda de Vargas e foi mantida até o Golpe Militar de 1964, apoiado e financiado pelos Estados Unidos.

Getúlio Vargas voltou ao cargo político máximo da república brasileira em 1950 democraticamente, porém, a pressão da oposição, mais especificamente da UDN e de alguns militares, levaram-no ao suicídio em 1954. Devido a forte comoção popular os movimentos golpistas foram esfriados por uma década.

A pressão internacional anticomunista liderada e financiada pelos Estados Unidos criou o IPES, que estimulou e apoiou ao movimento que derrubou João Goulart. A Operação Brother Sam, que não foi posta em prática, é a prova definitiva da ingerência dos Estados Unidos na política interna brasileira.

Na ditadura militar que se seguiu ao golpe e durou vinte e um anos (1964-1985) houve repressão policial, exílios políticos, estabelecimento de legislação autoritária, com supressão dos direitos civis, uso da máquina estatal em favor da propaganda institucional e política, manipulação da opinião pública através de institutos de propaganda governamental e empresas privadas que se beneficiaram do golpe, tais como a Rede Globo que, com o apoio do governo, tornou-se uma emissora nacional e fazia a livre propaganda da ditadura militar, enfatizando o avanço econômico. Censura, torturas, assassinatos de líderes opositores foram institucionalizadas pelo AI-5, na prática uma emenda à Constituição de 1967, que baseada na Doutrina de Segurança Nacional instaurou um Estado policial.

Em consequência houve um endividamento externo do país, em razão da construção de grandes obras com licitações forçadas para grupos de grandes empreiteiros que juntamente a grandes empresas financiaram o golpe de Estado.

3 comentários: